List

Entrevista feita por Arnaldo Bloch para a coluna ``Conte algo que não sei`` e publicada por O Globo 22/12/2014

© 1996 - 2014. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Nayat Sanchez, computer scientist: ``The dream of an easy life will come true``

Cuban-Spanish researcher integrates team at the Universidade Federal Fluminense (UFF) for constructing artificial intelligence devices applied to assisted environments

Official Link

“I was born in Cuba in 1976, where I studied Computer Science. I also have the Spanish nationality because of my grandfather. That is why I did my PhD in Madrid. Amid the crisis in Spain, I was invited to come to Brazil and join the laboratory of applied artificial intelligence at UFF, which is at the forefront of what is done today.”

Tell us something we do not know.

Ambient intelligence –which, by the way, has nothing to do with ecology, but with assistance from the immediate environment- is on its way to provide society with what technology has been promising us for a long time, the dream of an easy life will come true.

Easy life? What is that?

A life where devices know where I am, what I want, and bring me the solution while I might not even perceive that the technology is there.

What makes this technology in someone’s home?

For example, identify what is missing in the fridge, so I do not run the risk of running out of milk or eggs, and directly buy products through the supermarket’s website.

Is that all? Milk and eggs?

A multitude of things. The wearable devices, as devices that measure distance, heartbeats, etc., tend to expand their capacity to learn your patterns, to identify an imminent health hazard and warning: you have to go to the doctor because your heartbeat rate is unusual.

But, what if you were running or having a coffee?

That is contextual. For example, the device realizes I am out running and it does not notifies me about normal events. However, when the thing is serious, it does not failure. It is not a simple alarm in my calendar. It has intelligence involved. If you are playing piano, the device will remain quiet. It learns your habits and it learns who you are.

Sounds like something from the Sofia Coppola (sic) film “Her”. (It’s really from Spike Jonze …)

Yes. Natural language understanding and cognitive modeling of feelings in the future will help the elderly, disabled and lonely people who need company.

Will one day everything be in a chip on glasses and headphones?

I believe that. Multimodal interfaces are getting more transparent and will be combined in a single device.

Do you believe in the risk of these gadgets aware and dominate the world?

No. The media actually stimulate that fear a lot. However, the commitment of artificial intelligence is to do well.

Commitment to whom?

These issues should be regulated and treated with ethics by scientists and developers.

Do you trust the human species? And if they are not treated ethically?

Then, it is as any risk. We can create entities and smart objects, but we are who make the rules. It always has been like that and it always will be.

What is the latest you are researching?

A smart helmet while protecting the worker, it also examines the temperatures, the risk of accident and warns that a wall had to be painted today it was not. This is the concept of Industry 4.0, associated with the so-called Internet of Things and it is committed to increasing productivity in the industry.

Will this not create a defenseless people, without autonomy?

Someone has to do it. You cannot use those fears to stop progress. Technology cannot be invasive. Furthermore, the option to use it or not is always yours, such as not watch TV or turning off the mobile phone.

Do you have a robot at home?

Yes. A vacuum cleaner robot. My dog chases it, but it realizes and remains static, then the dog loses interest.

How you live in Rio?

The beautiful view of Santa Teresa and money for technology development programs. Things that do not exist today in Spain…

Nayat Sánchez, cybercientista: ``El sueño de la vida fácil se hará realidad “

Investigadora cubano-española integra equipo de punta en la Universidade Federal Fluminense (UFF) destinado a construir dispositivos de inteligencia artificial aplicada a ambientes asistidos

“Nací en Cuba, en 1976, donde estudié Ciencia de la Computación. Tengo también nacionalidad española por mi abuelo, por eso hice mi doctorado en Madrid. A partir de la crisis en España vine para Brasil, invitada para formar parte del laboratorio de inteligencia artificial aplicada en la UFF, que se encuentra en la vanguardia de lo que se hace hoy en día.”

Cuéntanos algo que no sabemos.

La inteligencia ambiental, – que, por cierto, no tiene nada que ver con la ecología, sino con asistencia desde el entorno inmediato, está en camino de proporcionar a la sociedad lo que la tecnología nos viene prometiendo desde hace mucho tiempo: el sueño de la vida fácil se hará realidad.

¿Vida fácil? ¿Qué es esto?

Una vida que sabe dónde estoy, lo que quiero, y me trae la solución sin yo siquiera percibir que la tecnología está ahí.

¿Qué hace una tecnología de estas en la casa de alguien?

Por ejemplo, identifica lo que falta en la nevera, así que no corro el riesgo de quedarme sin leche o huevos, y encarga directamente los productos el sitio del supermercado.

¿Eso es todo? ¿La leche y los huevos?

Una multitud de cosas. Los dispositivos wearable, que la persona lleva, como dispositivos que miden la distancia, pulso, etc., tienden a ampliar su capacidad aprendiendo tus patrones, para identificar un peligro inminente para la salud y advierten: tienes que ir al médico porque sus pulsaciones están fuera de lo normal.

¿Pero, y si estuvieras corriendo o tomando un café?

Eso es contextual. El dispositivo se da cuenta de que estoy corriendo y no alerta de nada. Pero, cuando la cosa va en serio, no falla. No es una simple alarma de calendario. Tiene inteligencia involucrada. Si estás tocando piano, el dispositivo se quedará tranquilo. Él aprende, por sus hábitos, quién eres.

Suena como algo de la película de Sofia Coppola (sic) “Her“. ( en verdad es de Spike Jonze…)

Sí. La comprensión del lenguaje natural y el modelado de los sentimientos en el futuro van a ayudar a los ancianos, discapacitados y solitarios en busca de compañía.

¿Un día todo estará en un chip en las gafas y los auriculares?

Eso creo. Las interfaces multimodales cada vez son más transparentes estarán alineadas en un solo dispositivo.

¿Cree en el riesgo de estos gadgets tomen conciencia y dominen el mundo?

No. Los medios de comunicación realmente estimulan ese miedo últimamente. Pero el compromiso de la inteligencia artificial es hacer el bien.

¿Compromiso de quién?

Son cosas que deben ser reguladas y tratadas con ética por los científicos y desarrolladores.

¿Confías en la especie? Y si no son tratadas éticamente?

Entonces, como es cualquier riesgo. Podemos crear entidades y objetos inteligentes, pero somos nosotros quienes hacemos las reglas. Siempre ha sido así y siempre lo será.

¿Qué es lo más avanzado que usted está investigando?

Un casco inteligente que mientras que protege al trabajador, también examina las temperaturas, los riesgos de accidente y advierte que una pared que tenía que ser pintada hoy, no lo fue. Este está en el concepto de la Industria 4.0, asociado con la llamada Internet de las Cosas y que está comprometida con el aumento de la productividad en la industria.

¿Esto no va a crear a personas indefensas, sin autonomía?

Alguien tiene que hacerlo. No se pueden utilizar esos temores para impedir la evolución. La tecnología no puede ser invasiva. Y la opción de no utilizarla es siempre suya, como la de no ver la televisión o la de apagar teléfono móvil.

¿Tiene un robot en casa?

Sí. Un robot aspiradora. Mi perro la persigue, pero ella se da cuenta y se queda estática, entonces el perro se desinteresa.

¿Cómo se vive en Río?

La hermosa vista de Santa Teresa y dinero para programas de desarrollo tecnológico. Cosas que hoy en día no existen en España…

Nayat Sanchez, cybercientista: ‘O sonho da vida fácil vai virar realidade’

Pesquisadora cubano-espanhola integra equipe de ponta da UFF destinada a desenvolver dispositivos de inteligência artificial aplicada e ambiente assistido

“Nasci em Cuba, em 1976, onde estudei Ciência da Computação. Tenho avô espanhol e consegui nacionalidade, daí ter feito meu doutorado em Madri. A Espanha entrou em crise, e vim para o Brasil, convidada a integrar o novo laboratório de inteligência artificial aplicada na UFF, que está na vanguarda do que se faz hoje”

Conte algo que não sei.

A inteligência ambiental, que não tem a ver com ecologia, mas com uma assistência ao ambiente imediato, está em vias de fornecer à sociedade aquilo que a tecnologia da computação nos promete há tempos: o sonho da vida fácil vai virar realidade.

Vida fácil? O que é isso?

Uma vida que sabe onde estou e o que quero, e resolve sem eu notar que a tecnologia está ali.

O que uma tecnologia dessas faz na casa de alguém?

Por exemplo, identifica o que falta na geladeira, para que eu não corra o risco de ficar sem leite ou ovos, e encomenda os produtos no site do mercado.

Só isso? Leite e ovos?

Uma infinidade de coisas. Os dispositivos wearable, que a pessoa veste, como aparelhos que medem distância, pulsações etc., tendem a expandir sua capacidade para identificar um risco iminente à saúde e avisar: você precisa ir ao médico porque suas pulsações estão fora do padrão.

Mas e se você estiver correndo ou tomando café?

Isso é contextual. O sensor percebe que estou correndo e não avisa nada. Mas, quando a coisa for séria, ele não falha. Não é um alarme no calendário. Tem inteligência envolvida. Se você está tocando piano, ele vai ficar quieto. Ele aprende, com seus hábitos, quem você é.

Parece coisa do filme de Sofia Coppola “Ela”.

Sim. Entender a linguagem natural e modelar sentimentos no futuro vai ajudar idosos, deficientes e solitários em busca de companhia.

Um dia tudo vai estar num chip ligado a óculos e fones?

Acredito nisso. As interfaces multimodais cada vez mais transparentes estarão alinhadas num só objeto.

Você crê no risco de esses gadgets ganharem consciência e dominarem o mundo?

Não. As mídias estimulam muito esse medo. Mas o compromisso é fazer o bem.

Compromisso de quem?

São coisas que devem ser reguladas e tratadas com ética por cientistas e desenvolvedores.

Você confia na espécie? E se não for tratado com ética?

Aí, é como qualquer risco. Podemos criar entidades e objetos inteligentes, mas, as regras, somos nós que fazemos. Sempre foi e sempre será assim.

O que de mais avançado você está pesquisando?

Um capacete inteligente que, enquanto protege o trabalhador, também examina temperaturas, riscos de acidente, avisando que uma parede que tinha que ser pintada hoje não foi. Isso está no conceito de Indústria 4.0, associado à chamada internet das coisas e comprometida com aumento de produtividade.

Isso não criará pessoas indefesas, sem autonomia?

Alguém tem que fazer isso. Não se pode usar esses medos para impedir a evolução. A tecnologia não pode ser invasiva. A opção de não usá-la é sempre sua, como a de não ver televisão ou desligar o celular.

Você tem um robô em casa?

Sim. Uma robô aspiradora de pó. O cachorro a persegue, mas ela percebe e fica estática, então o cão se desinteressa.

Como é a vida no Rio?

A linda vista de Santa Teresa e dinheiro para programas de desenvolvimento de tecnologia. Coisa que hoje em dia não existe na Espanha…

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/sociedade/conte-algo-que-nao-sei/nayat-sanchez-cybercientista-sonho-da-vida-facil-vai-virar-realidade-14895116

© 1996 – 2014. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.